O LACNIC no Congresso Latino-americano de Telecomunicações

30/07/2019

Com a presença de mais de 500 participantes, realizou-se do dia 1º ao dia 5 de julho, a sétima edição do Congresso Latino-americano de Telecomunicações (CLT) na cidade de Córdoba, na Argentina.

A agenda do evento inclui tópicos como a economia digital na América Latina, Políticas Públicas para a inovação, acessibilidade, entre outros.

Ernesto Majó, Diretor Executivo Adjunto do LACNIC, presidiu o seminário Desafios de uma Internet segura com foco multiparticipativo, organizado em parceria entre ISOC, ICANN e o LACNIC, organizações que dão apoio a realização do congresso desde o início.

Os palestrantes Stefano Nicoletti, Diretor Policy e Iot de GSMA, Farah Diva Urrutia, Secretária de Segurança Multidimensional da OEA, Leandro de la Colina, Diretor Nacional de Cibersegurança da Secretaria do Governo de Modernização da Argentina e Luciano Charlita de Freitas, Especialista em Regulação e Assessor da Diretoria de ANATEL, apresentaram diferentes perspectivas sobre como atender os desafios que enfrenta a segurança da Internet, tais como o surgimento de novas tecnologias, o esgotamento do IPv4, o desdobramento do IPv6, o uso massivo das redes sociais (fake news, crimes), entre outros.

A agenda do CLT incluiu também um painel sobre acessibilidade, do qual participou Carolina Caeiro, Coordenadora de Projetos de Desenvolvimento do LACNIC. Denominado “O acesso que falta: mais do mesmo”, este painel focou-se no modelo alternativo que representam as redes comunitárias.

Caeiro disse que o LANIC tem sido pioneiro das redes comunitárias através do programa FRIDA, o Fundo Regional para a Inovação Digital. Esta iniciativa deu apoio às redes de AlterMundi e Atalaya Sur na Argentina, e à montagem de duas redes na Bahia e no Piauí, no Brasil, através do artigo 19 e de uma rede sem fio no município de Maní, na Colômbia, mediante a associação civil Colnodo. Além disso, FRIDA também apoiou o desenvolvimento do LibreRouter, um roteador WIFI Open Source desenhado para redes comunitárias, assim como a estruturação de propostas normativas para redes de telecomunicações rurais e comunitárias na Colômbia.

A exclusão digital é um desafio premente que requer soluções inovadoras. “Mais de um terço da população da América Latina e do Caribe não possui conexão à Internet, principalmente nas áreas rurais ou de difícil acesso, as quais para as operadoras tornam-se não lucrativas”, afirmou Caeiro na sua participação no painel.

Disse ainda que resulta lógico que a partir das comunidades desatendidas, que querem exercer o direito à comunicação e aceder aos benefícios de estarem conectadas, surjam inciativas para montagem comunitária e autogestão de redes.

Algumas dúvidas que surgem do Programa FRIDA do LACNIC incluem se o modelo de redes comunitárias realmente representa uma solução que possa responder à escala do desafio da conexão. “Uma das principais limitações refere-se à introdução do regulamento normativo que não permitirá mais que as redes comunitárias operem informalmente”, concluiu Caeiro.

Acesse os vídeos dos painéis completos aqui.

Suscríbete para recibir las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber as últimas novidades no seu e-mail