As diretrizes da região para governar a Internet

01/08/2014

As questões da governança da Internet têm mais impacto no dia-a-dia das pessoas do que realmente acreditamos e são fundamentais para o desenvolvimento da Internet na região, segundo levantado nas palestras e comentários realizados durante 10 sessões de trabalho por 150 representantes de 21 países da América Latina e o Caribe na sétima Reunião Regional Preparatória para o Fórum de Governança da Internet (LACIGF) realizada neste mês em El Salvador.

No encontro, representantes da sociedade civil, governos, academia, organizações empresariais e da comunidade técnica, analisaram e debateram assuntos tão diversos do ecossistema da Internet quanto o desenvolvimento da infraestrutura para acessar à rede e o respeito pelos direitos humanos na Internet.

Uma das primeiras questões apresentadas foi acerca do ecossistema da governança da Internet em 2014. “De onde viemos e para onde vamos?” O antecedente de Net-Mundial traçou o caminho com um antes e um depois sobre a discussão do modelo de múltiplas partes interessadas (multistakeholder). O grande desafio é conseguir que esses mecanismos de discussão funcionem, fortalecendo o modelo de participação múltipla através da efetiva intervenção da comunidade. “A Internet deve ser promovida antes do que regulamentada”, coincidiram os participantes de LACIGF.

O acesso à Internet, com seus desafios e oportunidades para o desenvolvimento, também foi tema de discussão na reunião de El Salvador. Foi salientada a importância de garantir um uso e apropriação das tecnologias em todas as áreas de exclusão digital, facilitando o aprendizado para poder acessar as tecnologias de uma forma intuitiva (“tão fácil quanto usar uma caixa eletrônica ou tomar um prato de sopa”). O objetivo, afirmaram, deve ser fechar o fosso social fechando o fosso digital (“As TIC são médios, não são um fim em si para atingir objetivos”).

O painel de neutralidade da rede em El Salvador foi um marco importante na discussão pública regional de Governança da Internet ou da Regulamentação das Telecomunicações.

Durante a troca de ideias houve coincidências respeito a que neste momento a neutralidade da rede é mais importante do que nunca.

Pela primeira vez, atores importantes de diferentes setores –operadores, empresas de telecomunicações, provedores de conteúdos, sociedade civil- debateram de forma aberta e pública e apresentaram suas posições sobre uma questão que tem impacto decisivo na sustentabilidade do crescimento e desenvolvimento da Internet.

“As conexões devem ser completamente equânimes, sem interferência do provedor”, afirmou Carlos Afonso, moderador do fórum.

Vozes diferentes foram ouvidas pela multiplicidade de partes interessadas: “os pacotes que você envia não podem ser interferidos pela operadora de conectividade”; “a ubiquidade da informação digital é uma questão de neutralidade da rede que deve transcender a infraestrutura tecnológica dos operadores de telecomunicações”; “a administração do tráfego é legítima apenas quando for respeitada a proporcionalidade e a transparência”; “a neutralidade da rede tem como produto a rede aberta e interoperável”; “o objetivo de interesse público é manter a Internet como uma plataforma de acesso aberto sem discriminação”.

“Dado que esta é uma dicotomia forte que tem tomado indícios públicos, o painel de neutralidade e o evento em geral foram um grande exercício de entendimento mutuo das diferentes posições”, afirmou Andrés Piazza, responsável pelas Relações Externas de LACNIC.

Suscríbete para recibir las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber as últimas novidades no seu e-mail