LACNIC se reúne com organizações e autoridades de Suriname e Guiana

31/07/2017

As principais organizações públicas e privadas da Internet do Suriname e Guiana planejam a implementação do IPv6 para fim de 2017 ou começo de 2018, serviço que estará disponível para os usuários finais dos dois países, segundo constataram o CEO de LACNIC, Oscar Robles, e o líder de Relações Estratégicas e Integração de LACNIC, Kevon Swift, em reuniões mantidas com políticos, reguladores, funcionários e executivos de empresas de Telecomunicações e provedores de acesso à Internet desses países do Caribe.

Robles e Swift visitaram a tomadores de decisões do Suriname e Guiana e referentes do setor público e operadores privados do Caribe após a sua participação no início de julho do Forum Caribbean Cybersecurity & CyberDrill do Suriname.

Embora o tráfego do IPv6 ainda é incipiente nesses dois países costeiros do Caribe, nas reuniões dos representantes de LACNIC com referentes políticos e do setor das telecomunicações ficou de manifesto o planejamento forte que realizaram para implementar o IPv6 em um futuro próximo, comentou Swift.

As reuniões foram realizadas com representantes da Autoridade das Telecomunicações do Suriname; a empresa Telesur; a Assembleia Nacional de Suriname; o vice presidente do Suriname, Ashwin Adhin; o provedor ParboNetNV; a Agência de Governo Eletrônico de Guiana; a empresa Guyana Telephone & Telegraph (GTT); e a ministra das Telecomunicações de Guiana, Catherine Hughes.

Em cada um dos encontros, o diretor executivo de LACNIC, Oscar Robles, enfatizou que “o IPv6 não é mais um debate técnico, mas um debate estratégico se falarmos da qualidade e do desenvolvimento da Internet nos nossos países”.

Segundo as estatísticas de LACNIC, no Suriname e Guiana já foi designado espaço IPv6 suficiente para a maioria dos operadores para uma implementação eficaz desse protocolo.

“O melhor destas conversas é que já passamos os debates financeiros, e que os tomadores de decisões sabem que não é mais um argumento técnico, mas estratégico para os operadores”, acrescentou Swift.

Nas reuniões com os referentes públicos, LACNIC salientou as ações que podem ser tomadas pelos organismos públicos para promover o IPv6 mediante regulamentos internos e políticas de compras públicas e/ou importações de equipamentos habilitados no IPv6.

A nível privado, as empresas estão modificando suas redes de núcleo, e, em pouco tempo, habilitarão o acesso ao IPv6 para os equipamentos dos clientes. “Foi uma boa notícia que recebemos”, comentou Swift.

Suscríbete para recibir las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber as últimas novidades no seu e-mail